Leitora Compulsiva

Mindhunter, de John Douglas e Mark Olshaker #Resenha

mindhunter john douglas resenha intrinseca blog leitora compulsivaTítulo:A Mindhunter

Subtítulo: O primeiro caçador de Serial Killers americano

Autores: John Douglas e Mark Olshaker

Editora: Intrínseca

Ano: 2017

Páginas: 384

Tradução: Lucas Peterson

Sinopse: AQUI 

Download do 1º Capítulo: AQUI

Onde Comprar o livro: Amazon, Livraria CulturaSubmarinoBuscape

Onde Comprar o E-Book: Amazon (Kindle), Livraria Cultura

***





Desde a adolescência, sou apaixonada por romances e séries de TV policiais e os serial killers sempre me intrigaram. Na faculdade, por já ter interesse pelo tema, fiz Psicologia Forense como matéria optativa e aprendi bastante sobre esses criminosos!! Curiosamente, meu professor sempre falava sobre estudos do FBI sobre análise comportamental e sugeria a leitura de um livro escrito pelo agente que desenvolveu as principais técnicas para identificação e captura de serial killers. Pena que na época (porque eu sou velha! Rs…), o tal do livro não tinha sido publicado aqui no Brasil e não era nada fácil conseguir livros importados!

Eis que, há alguns meses, a Netflix anuncia a estréia da série Mindhunter, baseado na biografia homônima do agente do FBI John Douglas, pioneiro na aplicação de análise comportamental na luta contra os crimes mais hediondos. Para a felicidade da pessoa aqui, que não tem Netflix, a querida Editora Intrínseca decidiu lançar o livro e, mesmo não sendo fã de biografias, pedi um exemplar pela parceria! E não é que esse era o tal livro que eu queria ter lido na faculdade?!

mindhunter john douglas mark olshaker intrinseca blog leitora compulsiva

Sobre o que é “Mindhunter”?

“Mindhunter” é a biografia do agente do FBI John Douglas, escrita por ele em parceria com Mark Olshaker. Douglas trabalhou por 25 anos no FBI e foi criador da Unidade de Ciência Comportamental da agência, desenvolvendo técnicas que são usadas até hoje que são usadas para traçar perfis dos criminosos mais perigosos dos Estados Unidos, permitindo a identificação dos suspeitos e a captura de assassinos e estupradores em série.

Além de contar os detalhes de como John Douglas chegou ao FBI e como começou a trabalhar com análise comportamental, o livro traz ainda detalhes sobres os principais casos em que Douglas trabalhou e como esses casos influenciaram em seus estudos sobre as mentes criminosas.

Durante sua carreira, John Douglas trabalhou diretamente nos casos que levaram à captura de  alguns dos assassinos em série mais notórios e sádicos do nosso tempo: o homem que caçou prostitutas por esporte de Alaska, o assassino de crianças de Atlanta e o assassino de Green River de Seattle – o caso que quase custou a vida de Douglas.  Além disso, o Agente Especial do FBI confrontou, entrevistou e estudou dezenas de assassinos em série e estupradores, incluindo Charles Manson, Ted Bundy e Ed Gein.

Qual o segredo para o sucesso profissional de John Douglas?! Uma incrível habilidade de se colocar tanto no lugar do criminoso quanto das vítimas e pensar como eles. Com isso, foi capaz de criar perfis, descrevendo hábitos, características físicas e psicológicas dos suspeitos, chegando até mesmo a prever os próximos movimentos dos criminosos!

O que esperar desse livro?

“Mindhunter” é, antes de tudo, a biografia do Agente Especial John Douglas, que trabalhou durante 25 anos no FBI. Com uma narrativa em primeira pessoa, Douglas conta um pouco sobre sua vida pessoal e sobre sua trajetória profissional até seu ingresso no FBI. A partir daí, intercala informações sobre casos reais para mostrar o desenvolvimento das técnicas de análise comportamental que são usadas até hoje.

A estrutura do livro é bem diferente porque o autor divide os casos por temas e não segue uma cronologia. Há muitas idas e vindas no tempo, o que exige uma maior atenção do leitor, que deve ainda estar preparado para encontrar detalhes cruéis sobre os crimes e sobre os criminosos estudados por Douglas!

Vale destacar que o livro traz o ponto de vista de um homem que dedicou a vida à captura de criminosos e que se deparou com as coisas mais cruéis e terríveis que um ser humano é capaz de fazer. Então não se surpreendam com suas posições duras sobre punições e sobre a incapacidade de recuperação desses criminosos.

Me senti completamente absorvida por esse livro e tenho certeza de que foi uma das minhas leituras prediletas do ano!! No entanto, preciso reconhecer que esse não é um livro para qualquer tipo de leitor, porque ele tem um aspecto mais didático e menos prazeroso. Apesar de falar sobre serial killers, não é um thriller policial ou um livro de terror.

Para evitar que o livro se tornasse um manual para criminosos escaparem da polícia, o autor optou por dar detalhes dos casos e falar sobre o desenvolvimento das técnicas, deixando de lado as explicações de como chegaram a determinadas conclusões em seus perfis, o que poderá deixar muita gente frustrada.

Mesmo assim, para quem gosta do tema, vale a pena dar uma lida!

Sobre os autores e seus outros livros…

John Douglas foi o fundador e chefe da Unidade de Apoio Investigativo do FBI, criada em 1980. Ali, ajudou a desenvolver e a estabelecer a prática de análise de perfis para a resolução dos casos mais assustadores envolvendo serial killers nos Estados Unidos. É autor de diversos livros sobre a mente de assassinos e sobre os procedimentos de análise de perfis de criminosos. Douglas se aposentou após 25 anos de serviços prestados ao FBI, deixando como legado uma prática consagrada de investigação.

Mark Olshaker é escritor, roteirista, diretor e produtor. Recebeu um Emmy pelo documentário Roman City.

Além do best seller Mindhunter, os autores escreveram mais alguns livros juntos: The Anatomy of Motive, Unabomber, Obsession, Journey into DarknessThe Cases that Haunt UsLaw & DisorderThe Forgotten Killer. e o romance Broken Wings,

Aproveitem para ler a matéria 6 Assassinos Assustadores que estão em Mindhunter no site da Intrínseca e assistam o trailer oficial da série da Netflix:

 

12 comentários sobre “Mindhunter, de John Douglas e Mark Olshaker #Resenha

  1. rudynalva

    Camis!
    Confesso que vi tanta propaganda do livro da série e também tive a impressão que era uma série policial com a participação do John Douglas e não uma biogradia sobre a vida dele. Não que não goste de biogradias, até gosto, mas achei que seria algo diferente.
    Como ganhei a Netflix das filhotas, vou ver se assisto a série primeiro e se gostar, leio o livro depois.
    Mas pelo jeito, ainda assim o livro foi bom na sua opinião, né? Vamos ver…
    “ Lança o saber e não terás tristeza.” (Lao-Tsé)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

  2. Leticia Ramos de Mello Oliveira

    Olá, Camila!

    Ter um professor te indicando Mindhunter anos antes de o livro inspirar uma série da Netflix realmente mostra que o livro foi predestinado para você. E que também que um livro acaba precisando se tornar uma série ou um filme para se tornar popular por aqui.
    E isso numa época em que comprar livros importados não era tão facil quanto é hoje.
    Apesar de assim com o John Douglas, eu pensar que os criminosos seriais como os que ele entrevistou não tem como se recuperaram, já que seu emocional e psicológico foram danificados seriamente e não tem como serem recuperados, nem todos vão pensar o mesmo que ele e podem não gostar de suas posições em relação ao rigor da justiça.
    Mas o fato de John esconder como chegaram a identificar alguns seriais killers me lembrou muito o que fazem em Criminal Minds quando divulgam o perfil de um criminoso na mídia, escondendo parte do perfil para evitar que apareçam imitadores que possam complicar o trabalho da policia e do FBI. Considerando que o John inspirou o Gideon na série, é um detalhe bem interessante.

    Um abraço!

    1. Camila - Leitora Compulsiva Autor da Postagem

      Oi, Lê.
      Fiquei feliz de conseguir ler esse livro, mesmo com anos de atraso!
      E concordo com o John Douglas em vários aspectos, principalmente esses relacionados à tentativas de recuperação de psicopatas! Não faz sentido!
      Mas achei importante ele não divulgar certos detalhes, para o livro não se tornar um manual para criminosos!
      Beijos

  3. Sandra Mendes

    Camis, eu to assistindo à série e gostando bastante, e to doida pra ler esse livro! Minha formação não tem nada a ver com a área, mas adoro tudo o que diz respeito a ciência forense e comportamental. Sua resenha só me deixou mais ansiosa pra ler, o que quero fazer o mais rápido possível! 😀

    Beijos!

Deixe aqui seu comentário e ficarei muito feliz em responder!!!

%d blogueiros gostam disto: